Dos nossos caminhos opostos...

Posted by Uma Coral chamada Petra on terça-feira, 20 de outubro de 2009

foto: Marisa Gonçalves

Quando me ligas, as tuas questões, as tuas palavras, provocam sempre um certo abanão na minha vida. Na minha vida…não sei se diria tanto, mas ainda há um efeito qualquer que me provocas. Estou certa que há muito que deixei de amar-te. Mas quando me ligas para falar de coisas banais, ou de coisas que nada têm a ver com amor, a tua voz do outro lado faz-me sempre pensar que tu já me foste tanto, já te tive tão próximo, numa parte tão privada do meu coração. Do quão dentro já lá estiveste. Nunca ninguém esteve lá da mesma forma que tu.
E depois também me faz pensar que estás tão afastado do que sou…muito afastado. Faz-me pensar nos fantasmas interiores que deixei em ti, e tu em mim.
Juntos ultrapassamos muitas barreiras. As barreiras externas, extrínsecas, superficiais. E as barreiras internas, intimas, privadas.
Lembraste quando me prometeste que estarias comigo em tudo e para tudo? Nós tínhamos um amor feliz. Ainda te lembras?
Eu não me esqueço. E às vezes tenho saudades. Uma saudade estranha, uma saudade que sei que não significa que te quero de volta. Até porque estou certa que há muito que deixei de amar-te. Se calhar não foi assim há tanto tempo, mas as circunstancias e as pessoas que se foram infiltrando no meio deste sentimento fazem-me sentir que afinal já passou tempo demais.
As escolhas e as selecções foram nossas. Eu virei costas e ergui a cabeça sozinha. Tu precisaste de uma muleta para virar costas. No fim disto tudo é bom perceber que nunca fomos uma muleta um para o outro. Fomos amor. Fomos apaixonados de uma forma tão ardente que aposto que te lembras muitas vezes. Eu não me esqueci. Não te amo, mas não me esqueci de ti.
Um dia também me falaste que fugir do que sentias por mim era uma opção consciente. Algumas opções minhas tinham sido inconscientes. E agora vejo que foram as tuas opções conscientes e as minhas inconscientes que coordenaram o nosso caminho. Caminhos opostos é certo…mas que terão sempre um rasto significativo e marcante da nossa paixão, das barreiras que nos trocaram as voltas, do nosso amor…daquele que deixou em mim uma certeza miudinha, de que talvez não volte a encontrar quem me faça sentir daquela forma…

22 comentários:

Rainy disse...

A nossa mente dificilmente esquece!

Adorei!*

Ana disse...

Asmarcas estão lá, ficam sempre lá e a nostalgia do que foi, do que poderia ter sido invade-nos sempre.
Lindo...

Paula disse...

um amor desse tamanho nunca se esquece ficara sempre num canto da nossa memoria e do nosso coração. =)

lindo *.*

Sonhadoremfulltime disse...

Os estigmas de um amor ficam sempre cravados em nós.
Poderoso este momento de prosa, quer pela forma, quer pelo conteúdo. O máximo compromisso entre a criação, talento e recordação.

Z. disse...

muito bom este texto ;) parabens!

Uma Coral chamada Petra disse...

Rainy : Dificilmente...esquece. Tens razão.
Ainda bem que gostaste do que escrevi, Fico feliz.
Obrigada. beijinhos

Ana: Obrigada pelo "Lindo" . A nostalgia é um estado de espirito que me invade muitas vezes. bjs

Paula: Nem imaginas o tamanho deste amor...do que foi este amor.
Obrigada pelo "lindo". beijinhos


Sonhadoremfulltime: " Poderoso este momento de prosa, quer pela forma, quer pelo conteúdo. O máximo compromisso entre a criação, talento e recordação." Grande elogio. Muito obrigada, bjs

Z. : Obrigada. beijinhos

João Pedro disse...

Que nó na garganta é este??? Raios!!!

raquel disse...

revejo-me sempre nas tuas palavras.
tens talento!
gostei!

Inês e Mafalda disse...

;)

Sissy disse...

Gostei muito do teu blog. Muitos parabéns!

Evelyn Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Evelyn Santos disse...

Quando não podemos conter um sentimento desse porte,o melhor que podemos fazer é desabafar nas palavras. Você escreve com uma plenitude divina. Parabens! Tens um belo blog. ^^

Luz disse...

Quando se vive um amor com a dimensão do que é descrito e, confesso que sei o que é viver um amor assim e,tudo o resto que desse amor advém, há marcas que ficam, é inevitável. Tudo pode ir tomando o seu lugar, porque assim tem de ser..., porque não o foi de outra maneira, mas ainda que se volte a amar, é complicado, não é fácil e não esquecemos, somos forçados a habituarmo-nos à ideia de que acabou... Mas haverá sempre um espaço dentro de nós para este amor tão único.
Gostei do texto, os meus parabéns por este sentir, é mesmo assim que o deve ser sentido com alma.

Z. disse...

há pessoas que sao dificeis de esquecer e de nos ser indiferentes, porque ao passarem na nossa vida deixam para trás partes delas que vamos ter de ser nós a carregar. só quando deixarmos essa pessoa morrer dentro de nós é que vamos conseguir seguir em frente! ;)

Z. disse...

as vezes nem todos temos de seguir os mesmos caminhos. é triste mas acontece! há que saber viver com isso, aceitar e seguir em frente! é o melhor ;) nem devemos deixar que fiquemos aprisionados a memorias daquilo que aconteceu, isso impede-nos de seguir o nosso proprio caminho. ficamos no limbo! xx

katie. disse...

Estou sem palavras... Tenho-me apercebido da quantidade de corações partidos e de histórias inacabadas que há por aí... Mas esta,a tua, parece-se tanto com a minha...
"Eu virei costas e ergui a cabeça sozinha. Tu precisaste de uma muleta para virar costas."
Podia continuar a fazer copy paste de frases que aqui li e que dizem tudo... Mas nem vale a pena!
Ganhaste uma seguidora ;)
beijinho

Fuxa disse...

Quando aqui venho, dps de ler o que publicas, suspiro sempre no final ... Tal como a Katie. disse " Podia continuar a fazer copy paste de frases que aqui li e que dizem tudo... " e dizem mesmo :) ! Beijinho*

poveirinha disse...

vim aqui por acaso.
Gostei, voltarei.
Beijo

JS disse...

Gostei tanto deste texto que já o li mais de três vezes...

É simples, frontal e tenho a certeza que revemos muitos sentimentos aqui.

muito bom, mesmo.
Um abraço*

Gemini disse...

O texto é uma homenagem, ao que vocês viveram, em forma de retrospectiva. Aqui pareces serena, mais do que no outro post que comentei, e que é mais recente...

A vida é mesmo assim... "Vou amar-te sempre... Enquanto durar..."

Mas o que fica de mais importante, é precisamente o que está descrito neste teu texto, essa recordação. E desejo, sinceramente, que te venha a fazer bem, o mal que te fará agora o fim dessa relação.

Basicamente, não chores porque acabou... Sorri porque aconteceu!

http://iblogyouplease.blogspot.com/2009/06/sonhar-sonhar-perdidamente.html


http://gemini-poetryland.blogspot.com/2009/08/verbo-amar-no-futuro-mais-que-perfeito.html

Desculpa deixar-te, assim, estes links, mas talvez gostes de os ler...

Um beijinho.

Hugo de Macedo disse...

Genial. Apenas isso.

Parabéns pelo (excelente) blog).

Minkah disse...

"daquele que deixou em mim uma certeza miudinha, de que talvez não volte a encontrar quem me faça sentir daquela forma…" - aqui li o mote da paixão que ele escreveu em mim. e ainda não o deixei.

*